Resgates de animais silvestres aumentam em 53%

Levantamento da Guarda Civil Ambiental, em parceira com Secretaria de Meio Ambiente e Defesa Animal (Semam), mostrou que nos três meses de Primavera, entre 22 de setembro e 21 de dezembro, foram registrados 77 resgastes. As ações abrangem as mais variadas espécies, como saruês, bichos-preguiça, tartarugas verdes, bem-te-vi, garça maria-faceira e até pinguins de Magalhães.

As dificuldades enfrentadas pela pandemia vivida no ano de 2020 não afetaram os trabalhos da GCM Ambiental. Em comparação ao ano anterior, o número de resgates cresceu 53%. Além disso, foi constatado que o saruê foi o animal com maior número de salvamentos, devido à proximidade com a área urbana, deixando-o mais vulnerável.

Os animais salvos são levados para avaliação clinica, passando por um período de reabilitação até serem liberados e devolvidos ao habitat natural. Os resgates são efetuados com excelência em razão da alta capacitação do pelotão.

Recomendações – É indicado não entrar em contato direto com um animal silvestre. Basta acionar a Guarda Civil Ambiental, pela Secretaria do Meio Ambiente e Defesa Animal (Semam), pelos telefones (13) 3569-2274 e (13) 99679-3604 ou para GCM, por meio do número 153 (ligação gratuita), ou pelos e-mails gcmpamb@saovicente.sp.gov.br e gcmambiental09@gmail.com.

Todos os animais resgatados ou apreendidos pela GCM Ambiental são encaminhados às seguintes instituições parceiras:

– Instituto Gremar (Guarujá). Animais e Aves marinhas, como tartarugas, biguás e savacus;

– Aiuká Consultoria e Soluções Ambientais (Praia Grande). Animais marinhos e algumas espécies silvestres, como falcões, gaviões e corujas.

– Centro de Pesquisa e Triagem de Animais Selvagens (Ceptas Cubatão). Recebe animais silvestres;

– Parque Zoobotânico Orquidário de Santos. Aves e pássaros, como bem-te-vi, sabiá e rolinha caldo-de-feijão;

– Parque Ecológico Voturuá em São Vicente. Apenas bicho-preguiça;

– Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas Barueri);

– Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), no Parque Ecológico Tietê, em São Paulo;

– Instituto Butantã (São Paulo);

– Instituto Animália (São Sebastião).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *